Décio Magalhães combina o rústico e o contemporâneo na mostra Modernos Eternos

Ao receber o convite para participar da mostra Modernos Eternos BH/2016, o Designer de Interiores Décio Magalhães logo se identificou com a proposta e começou a criar, pois sua linha de trabalho geralmente já combina o rústico com o contemporâneo. “Em todos os meus projetos eu trabalho muito essa mistura. Amo peças de antiquariato e sou colecionador. Então pra mim é muito tranquilo”, comenta.
O ambiente escolhido por ele foi o jardim da casa onde foi realizada a mostra, que o encantou pelas orquídeas, devido ao fato de ele mesmo ser um cultivador dessas flores. Na parte interna do jardim foram concentrados os móveis mineiros e, na externa, os móveis de design mais arrojado. “Eu quis manter a identidade mineira do ambiente e mostrar que é possível que móveis mais rústicos do século XIX se adequem perfeitamente em uma composição com móveis da década de 1950 ou contemporâneos”, comenta Décio.

O Ambiente

Na parte interna do ambiente foi inserido um biombo coromandel chinês do século XIX, que contrasta com duas mesas que possuem uma linha de design mais moderno. As mesas foram acompanhadas por poltronas que fazem uma releitura do estilo pé de palito, muito utilizado nas décadas de 1950 e 1960, e por cadeiras de diferentes estilos, épocas e modelos.
Em outra parte do ambiente, uma mesa mineira grande foi acompanhada de cadeiras da década de 1950 e um banco mineiro do século XIX. Uma cascata de orquídeas foi posicionada próximo à mesa, criando um clima agradável e leve no espaço.
Em um grande armário mineiro de farmácia do século XIX foram expostas peças orientais em cobre, de estilo mais contemporâneo. Um balcão mineiro também foi escolhido para decorar o ambiente, com potes de farmácia feitos de vidro, em seu interior.
Para a iluminação, dois lustres de desenho contemporâneo, em aço cortado a laser, lembram os traços de uma aranha. E, como toque final, foram usadas telas contemporâneas e abstratas.

A Mostra

Décio conta que gostou muito da proposta da mostra. “Acho que está faltando no mercado hoje essa pluralidade de estilos sem ficar muito preso a tendências e modismos. A personalidade dos projetos é muito importante”, ressalta. Ele afirma ter ficado muito satisfeito com o fato do ambiente preparado por ele ter se tornado um ponto de encontro. “Essa parte do social foi muito boa. Os organizadores pediram para que os eventos da mostra ocorressem no meu ambiente porque acharam que ficou muito convidativo, aconchegante e agradável de ficar”.
A mostra e venda Modernos Eternos teve sua primeira edição realizada em 2014, em São Paulo. Em 2016, chegou a Belo Horizonte pelas mãos de Josette Davis, como a segunda capital do Brasil a sediar o evento. A mostra-boutique recebe um mix&math de mobiliário e objetos vintage, atuais e autorais – com um look contemporâneo – em ambientes assinados por arquitetos e designers de interiores.
A proposta das exposições é de utilizar 50% de peças de antiquários e o restante de peças contemporâneas. Tudo o que é exposto fica à venda, de maneira que as peças circulem, mudem de mãos e continuem vivas.
Os organizadores da mostra acreditam que ambientes com peças antigas vêm carregados de histórias, têm personalidade, e a mistura combinada com seu par ideal – o design contemporâneo – traz frescor e modernidade.
A primeira edição da Modernos Eternos em Belo Horizonte foi realizada em outubro/16 e contou com 16 ambientes assinados por conceituados designers, arquitetos e designers de interiores no Solar Pentagna Guimarães, no bairro Cidade Jardim.

Texto: Virginia Loureiro

 

O ambiente

A mostra